Friday, January 06, 2012

O que ninguém lhe dirá numa oficina literária - parte 1 (A Criação)

Writing


A escrita não tem nada a ver com talento e inspiração. Uma carreira literária se faz de labor e persistência.


É célebre a frase de Thomas Edison que diz que "O gênio é 1% inspiração, 99% transpiração", e não poderia ser mais verdadeira.
A inspiração é a origem da trama, quem são os personagens, o tema de um poema ou a ideia para uma crônica. Todo o resto, a materialidade da escrita, é puro trabalho.
É trabalho a leitura de outros escritores. É trabalho o aprendizado da escrita. É trabalho sentar-se diante da página em branco e enchê-la de palavras na esperança que alguém, em algum lugar do mundo em algum tempo, detenha-se para lê-las.
Após o vislumbre inicial, a grande ideia, nada mais resta senão o intenso trabalho de escrita, reescrita, revisão, reescrita, edição, revisão, reescrita... É um labor interminável, que tomará meses ou anos, às vezes para uma única obra.


É neste ponto que entra a persistência, pois os resultados da escrita são lentos e geralmente insatisfatórios.
Levará anos para se obter alguma espécie de reconhecimento, e muitos mais anos para ganhar alguns trocados com o que se escreve. O tempo e esforço investido será muito maior do que qualquer retorno possível. As horas gastas trabalhando sobre o texto se depararão com críticas ácidas e, na maioria das situações, com indiferença.
Muitas vezes, aquele texto brilhante do qual você tanto tem orgulho não será lido por ninguém. Então, você, muito teimoso, continuará escrevendo, pois é o seu trabalho e o que lhe dá felicidade.


Escrever bem é facil. Criar uma boa história é fácil. O difícil é escrever bem uma boa história.


Não existe segredo algum para escrever. Existem normas ortográficas e gramaticais, basta um pouco de estudo para dominá-las quase completamente.
Já as histórias estão por aí, ao nosso redor, ocorrendo no mundo inteiro o tempo todo. Leia os jornais e a quantidade de desgraças e histórias interessantes a cada dia. Veja os grandes livros da História e perceba quantas histórias boas já foram escritas. Relembre sua própria vida, o que você viveu e ouviu, e perceberá que muito já aconteceu.
O problema começa quando se tem de juntar uma boa história com uma boa escrita. Uma narrativa eficiente é um equilíbrio entre o que é contado e como isto é contado. Idealmente, o estilo e as palavras não deveriam ofuscar o que está acontecendo na história.
Uma escrita muito rebuscada pode distrair o leitor. Uma escrita muito simplória pode afastar o leitor.
Uma história desinteressante é do tipo que dá sono. Uma história abarrotada de reviravoltas pode soar inverossímil.
Onde está o equilíbrio entre estilo e enredo?
Isto é o que todos os escritores do mundo estão tentando descobrir.


Ser escritor é tentar convencer os demais que suas obras são originais e criativas, mesmo que não sejam.


Pense numa história... Imagine um personagem... Conceba uma ambientação...


Agora, tenha certeza que alguém, em algum lugar do planeta, em algum momento da história da humanidade, já escreveu esta mesma história, com este mesmo personagem nesta mesma ambientação. E pior! Provavelmente melhor do que você.
Desanimador, não?
Primeiro, porque o repertório de histórias e enredo é limitado. Segundo, porque todo o mundo pensa que existe um escritor dentro de si. Por fim, somos humanos, e as histórias que contamos, via de regra, se espelham no mundo em que vivemos, que é o mesmo de outras bilhões de pessoas.


Então, a sua tarefa de escritor, além de escrever sua obra da melhor maneira possível, é também de convencer os demais de que ninguém mais poderia tê-la escrita. E isto não é fácil!


Romance é romance, conto é conto, poesia é poesia, blog é blog. Se você é bom escrevendo um, não quer dizer que você também será bom escrevendo os outros.


Romance, conto e poesia são gêneros literários. Jornais, livros, revistas, TV, rádio e blogs são meios de comunicação.
Gêneros literários podem estar presentes nos mais diversos meios de comunicação. No entanto, os meios de comunicação também possuem linguagens específicas. Ser um bom jornalista não significa que o sujeito será um bom romancista, do mesmo modo que ser um blogueiro de sucesso não o tornará um bom contista ou poeta. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.


E o mesmo vale no interior dos próprios gêneros literários. Ser um contista não o tornará um bom romancista, são estruturas literárias diferentes com exigências distintas. Entre prosa e poesia há um imenso abismo, que a maioria dos escritores não consegue transpor com competência.
Isto não quer dizer que você não deva se arriscar, mas esteja preparado. Ser bom em um gênero, ou em uma mídia, não quer dizer que você terá competência nos demais.


Você aprenderá muito mais com as críticas do que com os elogios.


Todo jovem escritor precisa de elogios como uma flor necessita de sol e água. No começo, qualquer estímulo, por mais parcial e vago que seja, já é um enorme incentivo para escrevermos as próximas linhas.
No entanto, elogios não tornarão sua escrita melhor. Elogios lhe darão a ilusão que tudo está ótimo e que não há mais necessidade de se aperfeiçoar.


A escrita é uma estrada sem fim, você nunca terá descanso e nunca chegará ao destino. E você só saberá se pegou a rota errada quando alguém lhe enfiar o dedo na cara e for sincero com você.


Algumas críticas serão puramente destrutivas, geralmente de pessoas que tem inveja de você. Todavia, haverá aquelas críticas tão pertinentes, que poderão transformar sua carreira. Algumas críticas atingem tanto o nervo que, todas as vezes que você sentar-se para escrever, elas estarão na sua mente, protegendo-o de certos equívocos, de clichês ou de atalhos equivocados.


Ter um bom crítico por perto é a melhor companhia de um escritor.


Escolha entre ser lido ou ser admirado. Obras de vanguarda, densas, inovadoras e rebuscadas até podem chegar a ser admiradas, mas quase ninguém as lerá. O que os leitores gostam são de histórias com começo, meio e fim, personagens planos, nada mais que um entretenimento para ler no avião ou na privada.


Todos nós já quisemos revolucionar a Literatura, ser considerados gênios ou trazer a paz ao mundo através de nossos livros. Você pode tentar, mas é quase certeza que isto não ocorrerá.


E todos nós temos um modernista dentro da gente, aquele escritor que não está nem aí para os leitores, que deseja escrever romances sem parágrafos, sem pontuação, com páginas de cabeça para baixo, narrativas não-lineares, sem personagens, ou com milhares de personagens, com páginas em branco, sem enredo, e assim por diante.
Escreva, se você gosta disto, se lhe dá prazer! É o tipo de livros que você lê, ou só está fazendo isto para impressionar os outros, mostrar como você é brilhante ou genial?
Se for para escrever uma obra que ninguém lerá, que seja, pelo menos, pelos motivos certos...


Mas lembre-se que os leitores são pessoas normais, que assistem novela das oito, gostam dos filmes de Spielberg, ouvem forró universitário e quase nunca vão a museus. Aliás, muitos dos leitores nem gostam muito de ler...
A maioria deles deseja apenas uma história com começo, meio e fim, com personagens simples e com motivações claras. "De que adianta ler um livro se eu não posso contar a história para alguém depois?", muitos devem pensar.
Quanto mais complexa e alternativa for sua escrita, menor será o seu público.


Você terá de escolher: quer ser lido ou admirado?
São raríssimos os casos de escritores lidos por públicos imensos e admirados pela crítica. Ou você vende muito, ou é lido nas universidades. Nem sempre se pode ter tudo na vida.


Leia a segunda parte: A Publicação

6 comments:

Prof. Israel Lima said...

Ótimas dicas, por que não conselhos?

Parabéns!!!

Israel Lima

Anonymous said...

http://fimdotediorick.blogspot.com/

Cara nesse blog tem uma história muito daora, eu que não curto muito ler quero continuar lendo esse livro. Vale a pena pessoal dá uma olhadinha.

tatiana said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Márcia said...

Adorei as dicas!! Eu, como escritora iniciante, me identifiquei em várias passagens. Já me decepcionei muito na estrada que decidi seguir, mas no final, quando decidi primeiramente escrever para agradar ao leitor que existe em mim, vi que o resto é lucro e que opiniões distintas sempre vão existir, afinal, o que seria do vermelho se todos gostassem do branco?
Parabéns pela bela postagem.

www.marciaescritora.blogspot.com

Anonymous said...

Legal, só que a tal frase dos 1% de inspiração e 99% de transpiração é do Thomas Edson...

Henry Alfred Bugalho said...

Tem razão...

Na verdade, a citação não é de ninguém, pois o que o Edison disse foi:

"O gênio é 1% inspiração, 99% transpiração."

Vou retificar. ;)

Abraços.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.