Tuesday, January 29, 2013

Ler me tornará um escritor melhor?


Acho que muitos esperam uma resposta óbvia, como se eu houvesse acabado de fazer uma pergunta capciosa.

Todavia, o que parece ser senso comum, que todo escritor precisa ler muito, ao observarmos friamente, não é tão evidente assim.

Portanto, a resposta para a indagação "ler me tornará um escritor melhor?" é dúbia.

Sim... e não.

Ler ajuda a escrever?


As quatro competências da comunicação - fala, compreensão, escrita e leitura - são relativamente independentes, apesar de estarem interrelacionadas.

Só para contextualizarmos, é completamente plausível pensarmos em um sujeito que compreenda a linguagem falada, mas que não consiga comunicar-se bem oralmente, ou que seja capaz de ler livros, mas que não consiga escrever uma única palavra.

Qualquer um que já tenha aprendido uma língua instrumental, tal qual ensinada em várias universidades, possui um grau de competência de leitura de uma língua estrangeira, mesmo que não seja capaz de compreendê-la oralmente, de falar ou escrever neste idioma.
Neste caso, temos alguém que domina uma das competências, mas não as demais, ou seja, ser capaz de ler não contribui, de maneira alguma, na habilidade de escrita.

Ler não o ajudará a escrever melhor.

Escrever é que o ajudará a escrever melhor.

A relação entre leitura e escrita


Isto quer dizer que não preciso ler nada para me tornar um bom escritor?

Não exatamente.

Apesar de esta ser uma situação hipoteticamente plausível, na maior parte dos casos alguém se envereda pelo campo da escrita literária porque já gosta de ler.

Escrevo porque adoro ler, e penso que falo pela maioria dos autores.

A leitura não o ensinará a escrever, porém contribuirá em sua escrita de inúmeras maneiras:

1 - enriquecendo seu vocabulário
Na fala cotidiana, utilizamos um repertório muito limitado de palavras e expressões.
Por outro lado, a literatura não é uma mera reprodução da fala, mas um universo linguístico muito mais vasto, no qual podemos expressar ideias, situações, diálogos de uma maneira que não encontramos na vida real.
A melhor maneira para aprender novas palavras e, principalmente, seu uso é através da leitura, bem como da consulta de seu significado num dicionário.

2 - incorporação de enredos
Existe um rol muito limitado de histórias a serem contadas. Vingança, traição, amor, desespero, sobrevivência, viagem, etc. estão presentes na Literatura desde seus primórdios, inclusive, até numa era pré-escritura, quando estas histórias eram narradas oralmente.
Através da leitura de histórias de gêneros variados você assimilará estes diferentes tipos de enredos, compreendendo como eles se desenvolvem.

3 - descobrindo estilos e técnicas
Cada grande autor possui um estilo particular que o distingue dos demais escritores de seu tempo. Frequentemente, o desenvolvimento de um estilo é um processo consciente do autor, que refina seus temas e sua linguagem obra após a outra.
Além disto, existem várias técnicas literárias que contribuem para se atingir certos fins.
Como descrever bem uma cena? Como produzir um bom diálogo? Como desenvolver um personagem cativante?
Estas técnicas e várias outras podem ser aprendidas através da leitura das obras de grandes autores.

O Fantasma da Influência


Por outro lado, a leitura de certos autores pode ter um efeito paralisante em alguns escritores.
Diante de algumas obras aparentemente perfeitas, um escritor iniciante pode se questionar:

O que tenho de relevante para dizer? Jamais conseguirei escrever assim!

Já me senti desta maneira... Várias vezes! Alguns autores são tão estupidamente bons que nós, como escritores, queremos nos encolher num canto e chorar.
Se eu tivesse de reconhecer alguns fantasmas deste tipo, poderia enumerar, sem dificuldade, alguns escritores: Dostoievsky, Kafka, Borges, Fernando Pessoa, Machado de Assis, Nietzsche...
Alguns livros de certos autores possuem um efeito muito destrutivo no meu processo criativo, a ponto de ficar dias sem vontade sequer de voltar a escrever.
Senti-me assim depois de ler "Trópico de Câncer" de Henry Miller, por exemplo.

No entanto, há aqueles autores que servem como uma brisa de ar fresco, revelando-nos novas possibilidades criativas.
Enquanto lia "Molloy" de Samuel Beckett, tudo em que eu pensava era: "preciso escrever. Preciso escrever!", pois a prosa deste autor era tão solta e liberadora que a cada frase eu tinha novas ideias.
Outros escritores que surtiram em mim efeito semelhante foram James Joyce, Cortázar, Italo Calvino, García Márquez, Bukowski, Thomas Mann e Guimarães Rosa.

Isto não significa que estes mesmos escritores o influenciarão da mesma maneira. Contudo, você só descobrirá quais serão seus fantasmas e seus gênios inspiradores ao lê-los, ao embrenhar-se nos mais diversos tipos de leituras, não apenas naquelas que você gosta ou admira.
Comumente, correr riscos e tentar ler aquilo que você não está habituado pode surtir grandes efeitos positivos.

Conclusão

Repito: ler não o tornará um escritor melhor. Escrever sim.

Todavia, a leitura e a escrita estão profundamente entranhadas. Mesmo se você for um leitor ávido, se não possuir disciplina para escrever diariamente, você dificilmente se tornará um escritor melhor.

A leitura é uma etapa fundamental no processo de aprendizado da escrita, disto não temos dúvida. No entanto, a partir do momento em que você decide se tornar um autor, ler apenas não basta. É preciso ler bem.
Como escritor, você aprenderá a criar personagens, a realizar descrições, a narrar, a fazer com que seus personagens dialogue.
Mas como um leitor, você pode utilizar seu conhecimento para identificar as soluções utilizadas pelos outros autores.

Como Dostoiesvksy estabelece um ritmo narrativo através dos diálogos? Como Milan Kundera utiliza a Filosofia para compôr seus personagens? Como Dickens apresenta e constrói seus protagonistas? Como Joyce desconstrói a linguagem para seus propósitos estéticos?

Estas e várias outras indagações podem - e devem - ser feitas durante suas leituras.

Agora, se você não tem prazer lendo, eu recomendaria que você nem tentasse a carreira literária. Para mim, isto não faz sentido.

Se você não gosta de ler os livros dos outros, também não pode esperar que os outros queiram ler os seus.

2 comments:

Lucas Vitoriano said...

Otimo post, muito bom, realmente esse conceito de que se apenas ler muito lhe fara uma estrada magica para uma carreira de sucesso como escritor é erronea.

Miss Queen said...

Escrever e ler tem que andar juntas, como duas irmãs inseparaveis!!! Uma complementa a outra... Posso escrever, mas jamais deixarei de ler, jamais, foi lendo que aprendi a escrever melhor!
http://tudoporumlivronasecao.blogspot.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Seguidores

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.